Currently viewing the tag: "Paixão"

 

Realizar o meu sonho!

Sonhei que todos trabalhávamos em comunicação aberta e activa. As críticas eram produzidas construtivamente e as minhas ideias ganhavam asas. O meu trabalho, embora com uma posição irrelevante na cadeia era significativo para todos. Eu fazia parte do todo!

 

Caminhar lado a lado com a realidade faz-me pensar no papel que eu desempenho na organização.

“Sinto-me quase sempre motivado mas, por vezes, falta-me o reconhecimento pelo meu trabalho. Eu sei que há muita gente como eu e que por vezes não há tempo para essas lamechices. Ao fim e ao cabo eu sou como os outros. Estou na média!

Se toda a gente trabalha e é recompensada já não é mau. Entramos às nove saímos às seis, algumas vezes ficamos mais um bocadinho, porque ainda não são horas de ir para casa e aproveitamos para pôr coisas em dia.

Outras vezes ponho-me a pensar que este não era o meu sonho. Pensava que o trabalho ia ser mais divertido e que ia fazer coisas diferentes, daquelas que dá para contar aos amigos e lá em casa. Agora levo chatices e a vontade de apressar o fim-de-semana.” – Excerto de um diário imaginário de um colaborador comum de uma empresa comum.

Para o sonho se tornar realidade:

  • Olhar para dentro e sublinhar os meus pontos fortes.
  • Verificar onde podem ser aplicados.
  • Pedir colaboração para os desenvolver.
  • Analisar o retorno das minhas acções e corrigir se necessário.
  • Propor soluções para resolver problemas.
  • Reorganizar o meu tempo.
  • Criar objectivos pessoais e controlá-los.
  • Reconhecer o trabalho dos outros.
  • Voltar a olhar para dentro e congratular-me a mim próprio.

Felicidade é quando o que tu pensas, o que dizes e o que fazes estão em harmonia – Mahatma Gandhi

 

 

Adormecida por muito tempo!

Uma semana rica em “meforma” e “informa”.

Alguns pontos de vista que mereceram a minha reflexão dominada pela paixão e pela visão e que convem guardar:

“People With Passion Drive Innovation Success” 

by Jeffrey Phillips –Blogging Innovation 

 …”Now, to me, a person who loves change and new ideas, I can’t imagine why anyone wouldn’t leap at the chance to participate in innovation. Sign me up! But I’ve discovered that while “everyone” can be innovative, many people usually aren’t, and there are several good reasons for that. Understanding the reasons, and identifying the people who can or will overcome the barriers, will make your innovation effort more successful.”…

Jose Baldaia said…

“Hi Jeffrey
To all that reasons you talk, resistance to change, resignation, comfortable environment and negativism or prejudice I will add lack of happiness.
I think that people work better with fun and if we want to develop a innovation culture we need to create an appropriate environment for inspiration, creation and implementation.
I also do not like to see people going out from their places, but it is hard sometimes to involve them in new activities and I had experienced that. Some people prefer negotiation to retirement instead behavioral changes.
To me the best way to promote innovation is to change the environment. Innovation is contagious.”

Importa estar atento e preparar o futuro, eis um bom conselho:

Dragons at Your Door – How Chinese Cost Innovation is Disrupting Global Competition – Blog I Innovate!

“O novo desafio competitivo lançado pelas empresas chinesas não é comparável a nada visto pelas empresas ocidentais desde que os japoneses entraram no mercado, com seus carros e com a electrónica de consumo, há vinte anos atrás….”

jabaldaia

“Não é o famoso tigre de papel, mas antes um sinal para o “ocidente” deixar a acomodação e pensar em competições de outro nível. Daniel Pink já falava no factor Asia ao abordar a criatividade e as direcções que ela deve tomar. As empresas têm que procurar as necessidades reais dos seus consumidores e seguir-lhes o coração. A oferta passa por dar significado aos produtos e não tanto por apresentar uma panóplia imensa de “utensílios” sem utilidade. Criar algo de útil, simples e que faça parte do meu consumo sustentável.”

Jorge Barba – Game Changer

Passion cannot be replicated, it comes from within

To make people believe in our vision (dream) we have to be able to make them care, and to do that we have to be able to communicate it with passion. When we speak with emotions it’s like we’re sending other people our own energies, we’re connecting with them on a deeper level and we want them to feel what we feel.

Jose Baldaia  

Passion is enthusiasm and it has color. I think it is also contagious as a lot of emotions we experienced. But it is true that if we don´t share our visions we cannot achieve our goals.
The most important thing a leader must have is a life full of dreams, inside and outside their organization with family and friends, because it is this balance that allows happiness and creates passion.
If their Mission and Vision for the organization is aligned with his life I think leaders will be successfully.

Pensar e ouvir para pensar o quão simples, por vezes, é inovar!

Tagged with:
 

Colorir a Organização.

A paixão é um componente essencial da inovação. Paixão pode ser expressa de forma diferente por diferentes líderes, mas é sempre uma das principais fontes de energia. Paixão não é incompatível com uma certa dose de disciplina. A paixão e a inovação são contagiosas e devem ser vividos por todos, não sendo aconselhável a vacinação.

“Para a gestão o importante é manter um equilíbrio,  na equipa de liderança, entre os apaixonados, idealistas, visionários, os que são capazes de disparar a equipa com entusiasmo criativo, e às vezes tão realisticamente apaixonados, pragmáticos, que irá certificar se os projectos são bem executados e tem sucesso no mercado.” Jean-Philippe Deschamps.

Num universo, qualquer que seja a sua dimensão, organizacional encontramos sempre três perspectivas, o pessimista, o optimista e o realista. Há que regularizar o ambiente e procurar fazer com que as pessoas fiquem apaixonadas pelo trabalho na demanda da inovação.

O núcleo colorido.

E como incutir esses sentimentos?

Saindo dos gabinetes, tão condizentes com os nossos gostos e tão propícios à acomodação, para falar com colaboradores e “clientes internos” sobre as nossas preocupações e sobre os sucessos.

Acenando ao passar e mostrando o sua satisfação pela dinâmica dos projectos e pelas boas expectativas que deposita neles. Dirigindo a sua actuação para o positivo.  

Os líderes são os primeiros a saber o que está a funcionar bem e o que não está, por força do seu contacto com os clientes e os colaboradores e desta forma abordam os aspectos negativos de forma realista.

Sempre preocupados com o trabalho os líderes conhecem bem as dimensões dos desafios e elevam muitas vezes a fasquia das expectativas. Não devem criar sobrecarga de trabalho deixando espaço à iniciativa própria para a criatividade e inovação. Deve ser sempre feita uma abordagem equilibrada face aos desafios propostos e às exigências de trabalho e competências para os vencer. Manter as expectativas altas mas nunca a sobrecarga de trabalho.

Gerar paixão é importante para o trabalho mas não é por si só garantia de sucesso.

É importante não esquecer os aspectos fundamentais da Missão, Visão e Valores da organização.

Tagged with: