Currently viewing the tag: "Liderança e gerações"

 

Gerações complementares!

Hoje o mercado de trabalho é preenchido por um máximo de quatro gerações diferentes. Estas gerações têm necessidades diferentes que alargam o espectro da inovação, a qualidade das estruturas de Recursos Humanos nas organizações e o tipo de relações estabelecidas entre elas e com o meio.

Sejam ou não as organizações mais ou menos planas, elas apresentam sempre uma base e a sua constituição, dependendo da predominância de uma geração, pode afectar a forma como a organização abraça a inovação.

“A inovação emerge sempre da base para cima, em equipas que se formam espontaneamente e interagem de improviso. No futuro, precisamos de organizações que aumentam o poder da colaboração, de gestores que facilitem o imprevisível trabalho criativo de todos.” -

Keith Sawyer em conferência “Inventing the Future of Management”

Embora a imagem a retirar de cada geração possa ser global, é possível verificar diferenças contextuais entre a mesma geração, diferenças essas atribuídas às diferentes condições culturais e económicas experimentadas. Por exemplo a geração Y, que cresceu em países asiáticos mostra diferentes preferências e expectativas de trabalho em relação àqueles que cresceram nos EUA ou Europa.

Um lugar de liderança vai ser sempre requerido num ambiente de inovação, para levar uma organização a um lugar competitivo no mundo dos negócios. No entanto, as formas de colaboração e a participação de cada colaborador nos processos de inovação, vai evoluindo à medida que as interacções entre as gerações se aprofundam.

As gerações, elas próprias, evoluem e cimentam valores de trabalho e de vida social.

Então como vão ser os futuros líderes? Que papel desempenharão em inovação?

“Como milhões de outros aspirantes a líderes de todo o mundo, você está sendo refém de Gestão 1.0-uma densa matriz de práticas burocráticas que foram inventados para minimizar as variações do plano, maximizando a aderência à política. Apesar de muita retórica de mente elevada em contrário (geralmente encontrados em cartões laminados que começam com “Nossos Valores”), o modelo de gestão encontrado mais provável na sua organização sobrevaloriza a opinião dos executivos, desvaloriza o pensamento não convencional, desencoraja por completo a transparência, desencoraja a iniciativa, frustra a experimentação e incentiva uma reverência completamente injustificado para a precedência. Ao fazê-lo, Gestão 1.0 desperdiça os talentos de liderança de quase todos, com excepção do Presidente.” – Gary Hamel

Será que os futuros líderes ou os líderes do futuro (os de hoje) vai incentivar a iniciativa e a experimentação?

Como podem as gerações mais novas construir um futuro de prosperidade (pressupõe sustentabilidade) quando estão presas a um passado tantas vezes pouco atraente?

Qualquer que seja a nossa posição na hierarquia e a capacidade de decisão numa organização, o desenvolvimento da inovação com significado só é possível com a inclusão de todos os colaboradores de uma organização e isso quase sempre não acontece hoje como lembra Gary Hamel:

Assim, quando alguém me diz: “Gary estamos realmente sérios sobre a inovação na nossa empresa”, eu gostaria de dizer está bem, para testar isso e vamos encontrar funcionários de primeiro nível. As pessoas na linha de suporte técnico e “call centers” e o campo de organização de vendas e de assistência administrativa e quero fazer-lhes três perguntas.

Número um, como é que foi treinado para ser um inovador de negócio? A empresa fez um investimento para ensinar como ver novas oportunidades e desenvolver planos robustos para a experimentação e análise de todos esses?

Número dois, se você tem uma ideia de quanto tempo precisaria para concretizar, talvez a metade de seu tempo e um par de mil dólares para fazer um pouco de experiência com essa ideia. Quantas camadas de burocracia, você saberia para onde ir, poderia acontecer rapidamente?

E então número três, tem alguém medir o seu desempenho em inovação? Eles vão notar se você não fizer isso e se você fizer isso com sucesso em que é isto influencia a compensação ou qualquer outra coisa?

Bem, você fazer aquelas perguntas simples e noventa e cinco por cento dos trabalhadores vão dizer que não sentem que são parte de um processo de inovação. Sim, temos uma caixa de sugestões electrónica, sim, temos uma cerimónia de atribuição de prémios.”

Esta coexistência de várias gerações poderia ser naturalmente rica no desenvolvimento de ambientes e iniciativas de inovação, mas ainda está a amadurecer a capacidade de reconhecimento da diferença de valores que em qualquer contexto são sempre valores positivos para cada geração.

Existe espaço para a diferença e para a sua transformação em valor positivo, porque qualquer que seja a idade de um colaborador numa organização, existe um potencial a explorar e um referencial de necessidades a satisfazer.  

“No seu potencial inexplorado está o poder de criar o futuro. Mas primeiro tem que escolher o futuro. Então aqui vai o meu desafio. Olhe para si mesmo, por um momento, através de um piscar olhos da história. Todos os blocos de construção pelo que os nossos antepassados ​​lutaram: liberdade, razão, justiça, democracia e o resto. Seja honesto: você está (realmente) a fazer a maior parte deles, sugando a medula a partir deles – e talvez, apenas talvez, até mesmo melhorando-os? Ou você, como muitos de nós, muito do tempo, desperdiçando-os, afastando-os, ou tomando-os levianamente para concedidos? – Umair Haque

Pense nisto e sinta-se á vontade para contar os seus pensamentos!