Currently viewing the tag: "Competências"

(Texto em Português depois deste)

Ideas well structured

Innovation is not creativity. Creativity is something about the appearance of a great idea, either within an organization or not.

Innovation is about implementing the idea, turning this into a successful business.

There has been much emphasis in organizations, and well, to the process of generating ideas, but little attention to the perspiration which is necessary to go to reach a successful business.

Citing Edison: “Innovation is 1% inspiration and 99 % perspiration.”

What are the obstacles to implementation?

How do we try to overcome them?

“Try to imagine what a democracy of ideas would look like. Employees would feel free to share their thoughts and opinions, however politically charged they might be. No single gatekeeper would be allowed to quash an idea or set the boundaries on its dissemination. New ideas would be given the chance to garner support before being voted up or down by senior execs. The internal debate about strategy, direction and policy would be open, vigorous, and uncensored. Maybe this sounds hopelessly romantic, but such a thoughtocracy already exists—not in any big company, but on the web.” – Gary Hamel

A recent survey conducted by Fortune magazine concluded that the single biggest reason that businesses fail is their inability to execute strategic plans.

An idea without implementation is of little value, it can only serve for others to perform. Still, one idea is full of unused potential.

However the implementation of ideas can be a disaster. It is a question of competence and this is only a result when associated with an idea.

In the absence of internal competence to implement ideas organizations can always turn to consulting. There are good examples of these attitudes on the part of businesses.

But first, let’s lead, motivate and train teams to learn how to analyze problems and opportunities and turn them into tangible results for your business in a sustainable manner .

One purpose of creativity is to unite existing resources to create new value, which does not mean that once in a while, there may not be the need to bring in some assets from abroad to complete the project.

When will this situation might arise in an organization?

For example, in marketing the internal employees do this, but only to a certain point and focus on existing products, not new ones. It is a good time to go outside!

The research that employees do is focused on technology or data, but the reality at the doorstep?

The strategy is well-designed with the concern of the trends but the alternatives are not known. One must hear the outside world and broaden horizons.

Any idea is a project and a project is how things are put together to thus create value.

By putting things together make sure:

– There are production plants.
– There’s brand image.
– There are distributions networks.
– There are qualified people.
– There is know-how specialized.
– There is market acceptance.
– There are financial reserves.

Exclusively with internal resources or with the aid of external resources the ideas need to be worked.

Com a companhia das ideias à procura de execução

Ideias bem estruturadas

A inovação não é a criatividade. Criatividade é algo sobre o aparecimento de uma grande ideia, seja no interior de uma organização ou não.

Inovação é sobre a execução da ideia, convertendo esta num negócio bem sucedido.

Tem-se dado muita ênfase nas organizações, e bem, ao processo de geração de ideias, mas pouca atenção à transpiração pela qual é necessário passar para chegar a um negócio de sucesso.

Citando Edison: “A inovação é 1% inspiração e 99% transpiração.”

Quais são os obstáculos à execução?

Como é que tentamos superá-los?

“Tente imaginar como seria uma democracia das ideias. Os funcionários sentir-se-iam livres para partilhar os seus pensamentos e opiniões, apesar de poderem ser politicamente cobrados. Nenhum porteiro seria autorizado a eliminar uma ideia ou definir os limites da sua disseminação. Às novas ideias seria dada a possibilidade de angariar apoio antes de ser votadas para cima ou para baixo por executivos seniores. O debate interno sobre a estratégia, direcção e política seria aberto, vigoroso e sem censura. Talvez isto soe demasiado romântico, mas tal democracia de pensamento existe — não em qualquer grande empresa, mas na Web”. – Gary Hamel

Uma recente pesquisa realizada pela revista Fortune concluiu que a maior e única razão que as empresas falham é a sua incapacidade para executar planos estratégicos.

Uma ideia sem execução não tem grande valor, apenas pode servir para que outros a executem. Uma ideia não utilizada permanece cheia de potencial.

No entanto a implementação sem ideias pode ser um desastre. É uma questão de competência e esta, só é de facto resultado quando está associada a uma ideia.

Na falta de competência interna para a implementação de ideias as organizações podem sempre recorrer a consultoria. Há já bons exemplos destas atitudes por parte das empresas.

Antes, porém, vamos conduzir, motivar e treinar as equipas para aprender a analisar problemas e oportunidades e transformá-los em resultados tangíveis para o seu negócio de forma sustentável.

Um dos propósitos da criatividade é unir os recursos existentes para criar novo valor, o que não significa que, uma vez por outra, não possa haver a necessidade de trazer em alguns activos do exterior para completar o projecto.

Quando é que tal situação se pode verificar numa organização?

Por exemplo, no marketing os colaboradores internos fazem isso, mas só até certo ponto e focados em produtos já existentes, não em novos. É uma boa altura para sair à rua!

A pesquisa que os colaboradores fazem é com foco em tecnologia ou em dados, mas a realidade à porta de casa?

A estratégia é bem delineada internamente com a preocupação das tendências mas as alternativas não são conhecidas. É preciso ouvir o exterior e alargar horizontes.

Qualquer ideia é um projecto e um projecto é a forma como as coisas são postas em conjunto para que daí resulte valor.

Ao colocar as coisas em conjunto verifique se:

– Há plantas de produção.
– Há imagem de marca.
– Existem redes de distribuição
– Existem pessoas qualificadas.
– Existe know-how técnico especializado.
– Há aceitação do mercado.
– Existem reservas financeiras.

Exclusivamente com recursos internos ou com auxílio de recursos externos as ideias precisam de ser trabalhadas.

Tagged with:
 

(Texto em Português depois deste)

Combinations of color and music

Every day we face challenges without a minute’s rest! The challenges we face increase and we become more and more anxious. Then wetry to lower the anxiety increasing our capacity to solve problems .

On the other hand, if these challenges fall we tend to relax and if our skills are weak, easily create boredom.

Moreover, with the development of our skills we can also create boredom if challenges decreasing.

Major challenges and skills are synonymous of great results.

Anxiety is a psychological state that involves somatic, emotional and behavioral disorders.

The use of color and music in an environment of creativity and innovation may deserve some consideration when facing anxiety.

Hypothesis: – What if I used to color and music as tools for development of inspiration and creativity?

How could I combine them?

The answer is not found here, but is a guideline to facilitate the discovery of the path.

In some works of research already done on the effect of color on human behavior and emotions, it was noted that our personal and cultural associations affect our experience of color.

Colors are seen as warm or cool, mainly because of the associations we make in the course of lived experience. We make associations like, blue and sea green and meadow. Warm colors seem closer to the viewer than cool colors.

The perception is also influenced by the colors we use or observe.

Although red, yellow and orange colors are considered exciting brightness can change the emotional burdens brought on us by the so-called cold colors.

Colors have effects on the body and the mind. The red can be shown to stimulate the senses and elevate blood pressure, while blue has the opposite effect and calms.

What is behind the color?

The color inspires creativity and encourages individuals to generate new ideas. The use of color not only helps people in “artistic projects”, color stimulates creative thinking for writing and storytelling and to help evaluate and resolve issues.

Of course there are people who do not use color as a basis of inspiration. It is the case that Twila Tharp in his book “Creative Habit” says “I walk into a large white room.”

Yet, not only the color, arouses in us feelings unpredictable.

Take the music!

The music can be described in terms of melody, harmony and rhythm that give rise to different musical compositions, showing differently, each of the three musical elements.

The color can also be described in terms of elements, where the three primary colors are Cyan, Magenta yellow.

“Feel the music as a pressure a bite on the body, see letters and numbers that evoke different colors, flavors or colors, is something that the game may seem strange. People are not hallucinating, suffering from synesthesia that makes you see sounds, feel colors or taste shapes. And that’s how people with synesthesia, see the world.”

An recent “invention”, “ColorCube” was designed to help visualize the relationships of colors within the three-dimensional space of color, can also be used as a visualization tool, to map the color music.

” The music, like color, when classified in terms of melody , harmony and rhythm, can be described in relation to other genres such as color differences , mapping it to a three-dimensional structure based on the color space. This method of categorization can be used to describe the differences between music in and among them several genres in a way that reinforces what is already intuitively understood by those who love and appreciate music. “- colorcube

A small note of curiosity in psychophysical theory, any psychological correlation between music and color must derive mainly from physical stimuli, which, like the radiant energy, have only two variables: the scale, causing the intensity or brightness / brightness, and length wave, causing musical tone or hue.

Not forgetting that inventions are often not innovation, here’s another curiosity:

In 1922, a native Dutch singer made a kind of a color organ “called” Clavilux in New York. In 1926, this instrument is used in Philadelphia Orchestra playing Rimsky Korsakov ‘s ‘ Seherzade ‘ and is currently in New York , Museum of Modern Art.

Criatividade sem cor e sem musica?

Combinações de cor e música

Diariamente enfrentamos desafios sem um minuto de descanso! Os desafios que enfrentamos aumentam e ficamos mais e mais ansiosos. Então para baixar a ansiedade procuramos aumentar as nossas capacidades de resolução de problemas.

Por outro lado, se esses desafios diminuem temos tendência a relaxar e, se as nossas competências são fracas, facilmente criamos tédio.

Mais ainda, com o desenvolvimento das nossas competências podemos também criar tédio se os desafios diminuírem.

Grandes desafios e grandes capacidades são sinónimos de grandes resultados.

A ansiedade é um estado psicológico que envolve aspectos somáticos, emocionais e comportamentais.

A utilização da cor e da música em ambientes de criatividade e inovação pode merecer alguma reflexão.

Hipótese: – E se eu utiliza-se a música e a cor como ferramentas para inspiração e desenvolvimento de criatividade?

Como poderia combiná-las?

A resposta não será encontrada aqui, mas fica uma orientação para facilitar a descoberta do caminho.

Em alguns relatos de investigação, já realizados, sobre o efeito da cor no comportamento humano e nas emoções, verificou-se que as nossas associações pessoais e culturais afectam nossa experiência de cor.

As cores são vistos como quente ou fria, principalmente por causa das associações que fazemos no decorrer da experiência vivida. Fazemos associações como, azul e mar, verde e prado. As cores quentes parecem mais próximos do observador do que as cores frias.

A percepção também é influenciada pelo tipo de cores que usamos ou observamos.

Embora o vermelho, amarelo e laranja sejam consideradas cores excitantes o brilho pode alterar as cargas emocionais provocadas em nós pelas cores ditas frias.

As cores têm efeitos sobre o corpo e sobre a mente. O vermelho ao ser mostrado pode estimular os sentidos e elevar a pressão sanguínea, enquanto o azul, tem o efeito oposto e acalma.

O que está por detrás da cor?

A cor inspira a criatividade e incentiva os indivíduos na geração de ideias novas. O uso da cor não só ajuda as pessoas em projectos “artísticos”, a cor estimula a criatividade de pensamento para a escrita e para contar histórias e ajuda a avaliar e resolver as questões

Claro que há pessoas que não utilizam a cor como base de inspiração privilegiada. È o caso de Twila Tharp que no seu livro Creative Habit diz que “Eu passeio numa grande sala branca!”.   

Contudo nem só a cor desperta em nós sentimentos imprevisíveis.

Vejamos a música!

A música pode ser descrita em termos de melodia, harmonia e ritmo, que dão origem a diferentes composições musicais, evidenciando de maneira diferente, cada um dos três elementos musicais.

A cor também pode ser descrita em termos de elementos, onde as três cores primárias ciano, magenta e amarelo.

“Sentir a música como uma pressão, uma picadela no corpo, ver letras e números que evocam cores diferentes, ou paladares com cores, é algo que à partida pode parecer estranho. As pessoas não são alucinadas, sofrem de sinestesia que as faz ver sons, sentir cores, ou o paladar das formas. E é assim que as pessoas que sofrem de sinestesia, vêem o mundo.”

Uma “invenção” recente, “Colorcube”, foi projectada para ajudar a visualizar as relações das cores, dentro do espaço tridimensional da cor, também pode ser usado, como uma ferramenta de visualização, ao mapear a cor da música.

“A música, como a cor, se categorizados em termos de melodia, harmonia e ritmo, pode ser descrita em relação a outros estilos musicais como diferenças de cor, mapeando-a para uma estrutura tridimensional com base no espaço de cores. Este método de categorização pode ser usada para descrever as diferenças entre a música dentro e entre elas, vários géneros musicais, de uma maneira que reforça o que já é intuitivamente compreendido por aqueles que amam e apreciam a música.” – colorcube

Uma pequena nota de curiosidade, em teoria psicofísica, qualquer correlação psicológica entre a música e cor, devem provir principalmente dos estímulos físicos, que, como a energia radiante, têm apenas duas variáveis, a amplitude, causando intensidade ou brilho/luminosidade, e comprimento de onda, causando tom musical ou matiz.

Não esquecendo que invenções não são muitas vezes inovação, aqui fica mais uma curiosidade:

Em 1922, um cantor holandês nativo fez uma espécie de um órgão de cor “chamado” Clavilux em Nova York. Em 1926, este instrumento é utilizado em Philadelphia Orchestra  tocando Rimsky Korsakov s ‘Seherzade’, e está actualmente em Nova York, Museu de Arte Moderna.

Tagged with:
 

(Texto em Português depois deste)

Diversity facing competences

People are more creative in days of positive climate than on other days.

When people perceive their organization with a positive light, collaboration, cooperation , openness to new ideas , able to assess and develop new ideas with justice , focused on a clear vision of innovation and are recognized for their work , these people are more creative .

Rather, people are less creative if the environment is internal competition, if there are political struggles departments or aversion to new ideas and to take risks.

People instinctively believe that diversity is good at innovation. But when innovation is necessary and urgent, most people believe the answer is given by the capacity of each and build a team on that basis.

In other words diversity is seen as something interesting and possibly entertaining, but the urgent need makes them consider the capacity as critical.

In fact, diversity generally exceeds the capacity, and the teams assembled on the basis of diversity (interdisciplinarity), surpass those based on competence in a discipline.

For companies that are innovative, they must understand that the best innovations often come from the lowest levels of the organization and that innovation can and should take place in any functional area.

The innovative organizations instill a culture of innovation throughout the organization. This culture is based on the stimulation of ideas, creativity, not forgetting that the appearance of failure follows the conviction of the earlier crash less cost entails.

Some organizations resort to the use of specific software to facilitate discussion and combination of ideas allowing free team building.

In a company with culture of innovation, management and their peers are venture capitalists and assume this role looking to collect a large number of ideas and evaluate them. They separate marginal ideas from those which show the greatest potential to become big winners.

In these ideas with potential is necessary invested capital to ensure its viability.

But it is not enough will, not enough to want innovation and everything else are facilities. Organizations must create conditions for creativity to flourish.

“Thanks to the Medici family and a few others like them, sculptors, scientists, poets, philosophers, financiers, painters and architects converged on the city of Florence. There, they met, learned from each other, and broke down barriers between disciplines and cultures. Together, they forged a new world based on fresh ideas – what became known as the Renaissance. As a result, the city became the epicenter of the creative explosion, one of the most innovative eras in history. ” Frans Johansson Medici Effect

 

 

 

 

 

Criatividade e a diversidade!

A diversidade face à competência

As pessoas são mais criativas em dias de clima positivo do que noutros dias.

Quando as pessoas percebem a sua organização com uma luz positiva, colaboração, cooperação, abertura a novas ideias, capazes de avaliar e desenvolver novas ideias com justiça, focadas numa visão clara de inovação e são reconhecidas pelo seu trabalho, essas pessoas são mais criativas.

Pelo contrário, as pessoas são menos criativas se o ambiente é de competição interna, se há lutas políticas de departamentos ou aversão a novas ideias e ao assumir de riscos.

As pessoas acreditam instintivamente que a diversidade na inovação é boa. Mas quando a inovação é necessária e urgente, a maioria das pessoas acredita que a resposta é dada pela capacidade de todos e constroem uma equipa nessa base.

Por outras palavras a diversidade é vista como algo interessante e possivelmente divertido, mas a necessidade urgente faz considerar a capacidade como crítica.

Na realidade, a diversidade, geralmente supera a capacidade, e as equipes montadas com base na diversidade (interdisciplinaridade), superam aquelas baseadas na competência numa disciplina.

Para as empresas serem inovadoras de facto, devem compreender que as melhores inovações, frequentemente, são provenientes dos níveis mais baixos da organização e que a inovação pode e deve ter lugar em qualquer área funcional.

As organizações inovadoras incutem uma cultura de inovação em toda a organização. Essa cultura assenta na estimulação de ideias, da criatividade, não esquecendo que o aparecimento do fracasso ou insucesso segue a convicção de quanto mais cedo falhar menos custos acarreta.

Algumas organizações recorrem ao uso de software específico para facilitar a discussão e combinação de ideias permitindo a livre construção de equipas.

Numa empresa com cultura de inovação, a gestão e os seus pares são investidores de risco e assumem esse papel procurando recolher um grande número de ideias e procedendo à sua avaliação. Separam as ideias marginais das que apresentam maior potencial para se tornaram grandes vencedoras.

Nessas ideias com potencial é necessário investir capital para verificar a sua viabilidade.

Mas não basta a vontade, não basta querer inovação e tudo o resto são facilidades. As organizações têm de criar condições para que a criatividade se desenvolva.

“Graças à família Medici e alguns outros como eles, escultores, cientistas, poetas, filósofos, financiadores, pintores, arquitectos convergiram sobre a cidade de Florença. Ali, encontraram-se, aprenderam uns com os outros, e quebraram as barreiras entre as disciplinas e culturas. Juntos, forjaram um novo mundo baseado em novas ideias – que ficou conhecido como o Renascimento. Como resultado, a cidade se tornou o epicentro da explosão criativa, uma das eras mais inovadoras na história.”
Frans Johansson, O Efeito Medici

Tagged with:
 

(Texto em Português depois deste)

See the paths of ideas.

Going from ideas and opportunities for products and services have traditionally been seen as the role of business and industry.

This is still largely true, but often good ideas cannot make a trip to the creation of products, services and even new businesses.

New and good ideas, it is said often are not as vulgar as that. Many good ideas reside in the queue but others were killed by neglect or lack of competencies.

This happens partly because many of the ideas that were released did not find a fertile environment to germinate. Moreover many of the evaluators or evaluation teams of ideas do not meet the minimum requirements for the job!

Imagine our small garden or yard like a small business or our farm like a big company. Any of these environments to be productive in need of care ranging from working the soil, sow with knowledge, deal with its growth and harvest. For all that is necessary the knowledge of the farmer that being alone does not progress or adapt to a changing environment.

With the ideas you pass the same! The key to the development of ideas and the collection of products is collaboration.

The author or creator of an idea or its re

presentation must be of an amount of information that is not always explicit.

When someone in the company proposes a new concept the first reaction is instinctive and the idea will be approved or rejected . It is anyway an evaluation process that immediately labels the idea and for which you must be awake. The ideas do not choose who should cultivate or promote its cultivation.

The most radical ideas are more easily subject to the barrier of conservatism and good ideas usually the first to sound ridiculous.

In a company as well as being necessary to promote the generation of ideas balancing on capital of existing knowledge and in a context, it is also necessary to follow an evaluation process of ideas that do not kill the bud.

The most effective means to perform an initial analysis of an idea is an assessment based on criteria , that is , it is necessary to establish some basic criteria that are essential to determine whether or not it is likely that an idea and works well.

At this stage the farmer selected the best ideas in the light soils and it has the region’s climate and other human and physical resources.

It is important to focus on that when employees of a company launching an idea for approval or discussion it should contain some basic ingredients:

– The idea is certainly the future!

– The idea fits the company’s strategy or give rise to a good deal.

– The idea can be converted into products or services that bring added value.

– You can test the idea.

– The idea withstands adversity.

If eventually we forget how many ideas are saved the best we have to do is review them and reevaluate them!

Many of the old ideas that were rejected, possibly today are seeds of innovation.

Not always a farmer uses the same kinds of seeds on the ground that enjoys.

 

Escolher as ideias como sementes de inovação!

Caminhos das ideias.

Passar de ideias e oportunidades para produtos e serviços tem sido tradicionalmente visto como o papel das empresas e da indústria.

Isso é ainda em grande parte verdade, mas, muitas vezes, as novas ideias não conseguem fazer uma viagem para a criação de produtos, serviços e até novas empresas.

Novas ideias e boas, diz-se com frequência, não são tão vulgares quanto isso. Muitas boas ideias residem em filas de espera, outras há que foram mortas por negligência ou falta de competência.

Isto acontece, por um lado porque muitas das ideias que foram lançadas não encontraram um ambiente fértil para germinarem. Por outro lado muitos dos avaliadores ou equipas de avaliação de ideias não cumprem os requisitos mínimos para a função!

Imaginemos a nossa pequena horta ou jardim à semelhança de uma pequena empresa ou a nossa quinta à semelhança de uma grande empresa. Qualquer destes ambientes para ser produtivo precisa de cuidados que vão desde trabalhar o solo, semear com saber, tratar do seu crescimento e colheita. Para tudo isso é necessário o saber do agricultor que estando sozinho não progride nem se adapta às mudanças do meio.

Com as ideias passa-se o mesmo! A chave do desenvolvimento de ideias e da colheita dos produtos é a colaboração.

O autor ou criador de uma ideia ou da sua representação é possuidor de uma quantidade de informação que nem sempre é explícita.

Quando alguém numa empresa propõe um novo conceito a primeira reacção é instintiva, e será de aprovação ou de rejeição. É de qualquer forma um processo de avaliação que imediatamente rotula a ideia e para o qual é necessário estar desperto. As ideias não escolhem quem as deve cultivar ou promover o seu cultivo.

As ideias mais radicais estão sujeitas com mais facilidade à barreira do conservadorismo e normalmente as boas ideias a primeira vez soam a ridículo.

Numa empresa para além de ser necessário fomentar a geração de ideias, aproveitando o capital de conhecimento existente e contextualizado, é também necessário seguir um processo de avaliação de ideias que não as mate à nascença.

Os meios mais eficazes de executar uma análise inicial de uma ideia é uma avaliação baseada em critérios, isto é, é necessário determinar alguns critérios básicos que são essenciais para determinar se é provável ou não que uma ideia funcione e bem.

Nesta fase o agricultor seleccionou as melhores ideias tendo em conta os solos que dispõe bem como o clima da região e os restantes recursos humanos e físicos.

É importante focar que quando os colaboradores de uma empresa lançam uma ideia para aprovação ou discussão ela deve conter alguns ingredientes fundamentais:

– A ideia tem seguramente futuro!

– A ideia encaixa-se na estratégia da empresa ou pode dar origem a um bom negócio.

– A ideia pode ser convertida em produtos ou serviços que trazem mais-valia.

– É possível testar a ideia.

– A ideia resiste às adversidades.

Se eventualmente nos esquecemos de quantas ideias estão guardadas o melhor que temos a fazer é revê-las e reapreciá-las!

Muitas das ideias antigas que foram rejeitadas, possivelmente são hoje sementes de inovação.

Nem sempre um agricultor utiliza os mesmos tipos de sementes no terreno que usufrui.

(Texto em Português depois deste)

It’s awesome!

 

This is an exclamation made after verification of results from work on one or more ideas.

This is a sort of base for a multitude of recipes but giving them all the flavor and authenticity beyond the unmistakable aroma of a success.

It is the result of a handful of design, indeed two, or that ability to create something that has meaning and utility.

The utility is a privileged destination of creation.

With a background music played by a team well constructed we tune up the last touches to the symphony.

So with that background you can appreciate the image in its entirety in order to establish new relationships, using metaphor as a way of thinking and get the whole is greater than the sum of its parts.The interdisciplinary teams are experts in achieving these goals.

When reading the emotions, capacity made possible by empathy, we know where to go those who are recipients of our work.

Empathy is whether being in the place of the other and this promotes the improvement of any environment.

If to a set of attitudes, such as design thinking, read and understand all the others we join a game or fun environment, the future is even brighter.

The games and playful exercises are good levers for success.

It’s the joy of creation as a trademark.

 All this has a meaning!

Innovating means completely rethink how to achieve a goal, and in some cases this may mean a redefinition of our objective.

Innovating means to adapt environments (objects, services…) to new demands and needs of younger’s and older.

Innovation means coming up with a new idea can create a better world and help build better children in a changing world.

Innovating means to be able to create solutions for the mistakes that my and other generations before being committed and also able to prevent another generation realize the same mistakes.

Innovating means to create positive learning environments applying this to a new context.

 

There are as we go along in our journey of life, we thinking of leaving something as a sign of our presence, can serve to tell later.

It is  storytelling!

Telling a story is important both to assign meanings to things that want to create, to build links and report the steps of the creative journeys.

Are these six attributes (“A Whole New Mind – Daniel Pink) that should be part of a process of innovation.

 

 

É impressionante!

 

Esta é uma exclamação proferida depois de verificado o resultado do trabalho sobre uma ou várias ideias.

Esta é uma espécie de base para uma multiplicidade de receitas, mas que confere a todas elas sabor e autenticidade para além de um aroma inconfundível a sucesso.

É fruto de uma mão cheia de design, aliás duas, ou aquela capacidade de criar alguma coisa que tem significado e utilidade.

A utilidade é um destino privilegiado da criação.

Com uma música de fundo tocada por uma equipa bem construída afinam-se os últimos toques para a sinfonia.

Assim se pode apreciar a imagem na sua totalidade de forma a estabelecer novas relações, a utilizar a metáfora como forma de pensamento e conseguir que o todo sejam maior que a soma das partes. As equipas interdisciplinares são exímias em alcançar estes objectivos.

Ao ler as emoções, capacidade possibilitada pela empatia, sabemos para onde vão aqueles que são os destinatários do nosso trabalho.

Empatia é saber estar no lugar do outro e isso promove a melhoria de qualquer ambiente.

Se a um conjunto de atitudes, como o pensar design, o ler a totalidade e o perceber os outros, juntarmos um ambiente de jogo ou divertimento, até o futuro é risonho.

Os jogos e os exercícios lúdicos são boas alavancas para o sucesso. É a alegria como marca da criação.

Tudo isto tem significado!

Inovar significa repensar completamente a maneira como alcançar um objectivo e, em alguns casos, isso pode significar a redefinição do objectivo que perseguimos.

Inovar significa adaptar o ambiente às novas exigências e necessidades dos mais novos aos mais velhos

Inovar significa chegar com uma nova ideia capaz de criar um mundo melhor e permitir criar filhos melhores num mundo em transformação.

Inovar significa ser capaz de criar soluções para os erros que a minha e outras gerações anteriores cometeram e ser também capaz de evitar que outras gerações comentam os mesmos erros.

Inovar significa criar ambientes de educação positivos, aplicando o presente a um novo contexto.

 

Há medida que vamos avançando no nosso percurso de vida, vamos pensando em deixar algo, como testemunho da nossa presença, que possa servir para contar depois.

É o contar da história!

Contar uma história é importante quer, para atribuir significados às coisas que criamos quer, para construir ligações e relatar os passos das viagens criativas.

São estes seis atributos (“A Whole New Mind” – Daniel Pink) que devem fazer parte de um processo de inovação.

Chovia torrencialmente naquele dia!

Sentado calmamente no sofá ouvia as notícias enquanto experimentava o meu novo telemóvel e, de repente, surge a imagem provocadora de desassossego “…acidente na auto-estrada provoca 3 morte e 1 ferido em estado grave”.

Por sorte ou azar ainda não tinha o telemóvel capaz de ligar a alguém para dar a notícia. Seria um desabafo se o tivesse feito!

Porque sabia que no dia seguinte iria passar naquele sítio, procurei relaxar e fazer contas. Não à vida mas aos números de acidentes, mortos e feridos que entretanto o locutor contabilizara.

– “Mais um que no ano passado em época homóloga!”  

Bem-feitas as contas, pensei: “Bom! De cancro foi x+1, de gripe

Y+1, de acidente aéreo foi z-1, etc.”

Do mal, o menos, o risco existe e eu tenho que o assumir.

Sou capaz de conduzir atento, sem excesso de velocidade e o carro está em perfeitas condições para a viagem. Dados estes pressupostos só tenho que admitir que o risco existe mas é calculado. Nada me garante que vá ter sucesso, mas é esperado que assim seja.

– “Vou viajar!”

A nossa capacidade racional de admitir o risco coloca-nos muitas vezes, até nos negócios, em posições de fraqueza face à concorrência. O que nos leva a enfrentar com medo situações de baixo risco comparadas com outras de muito maior risco?

A utilização dos “ses” faz com a que a tomada de decisão, em questões pertinentes e cruciais, se arraste por tempo indefinido, muitas vezes até à ineficácia da decisão.

A história de um acidente contada na televisão, engana o nosso raciocínio, porque vem carregada de emoção, mas engana por pouco tempo. Um acidente diário com aqueles números não tem impacto igual a uma queda de avião com 150 passageiros!

Mas números são números e sabemos que por ano morrem menos pessoas de acidente de aviação do que de automóvel.

Tudo isto porque nós, racionais, afinal pensamos de forma rápida, associativa, tendo o hábito como patrão e carregados de emoção.

É nestas alturas que importa lembrar a inteligência emocional e contar a história do Sr. Risco e as suas aventuras com a emoção.

Quando duas pessoas caminham lado a lado, elas prestam atenção, à distância a que estão uma da outra, para não andarem aos encontrões!

A racionalidade e a emoção também devem saber passear lado a lado, e por vezes, ora dirige uma ora dirige a outra. São exemplo disso as “contas a pagar” ou “os sucessos a celebrar”.

A aceitação de risco nas empresas não pode ser governada exclusivamente pela lógica dos dados, assim como não pode ser conduzida como um devaneio de fim de tarde.

Importa um equilíbrio, importa a intuição, importa a experiência e a emoção, para que o risco seja visto não como uma ameaça mas como uma oportunidade!

Quer comentar!

Perguntas que me faço!

 

O que é Abstracção?

A abstracção é a remoção de informações de modo a tornar aplicável algo, a uma ampla classe de situações, preservando as propriedades importantes e natureza essencial de conceitos ou temas.

Parece ser uma “definição pomposa”, mas não é se nos lembrarmos de Miguel Ângelo, quando olhava para um bloco e mármore e imaginava “Pietá”

Ao retirar esses detalhes, as diferenças desaparecem, e muda a nossa forma de ver estes conceitos ou assuntos, sendo até possível ver semelhanças que até então eram inexistentes.

A utilidade da abstracção revela-se, por exemplo, quando pretendemos analisar um conjunto de pessoas, poderá haver situações em que seria útil ter a entidade comum, que representasse grupos com atributos diferentes tais como clientes e fornecedores.

(Entendam-se como fornecedores todos os trabalhadores de uma empresa que colaboram para a criação de um produto.)

Imaginemos esses colaboradores a trabalhar com pensamento concreto! Eles estariam limitados ao que teriam à sua frente, ali e naquele momento.

No entanto se esses colaboradores trabalhassem com pensamento abstracto poderiam conceptualizar ou generalizar. Poderiam ver para além do óbvio e seriam capazes de usar padrões ou de obter uma série de pistas para desenvolver problemas complexos.

O pensamento abstracto ajuda a resolver problemas de forma mais criativa, e cria uma tendência a permitir que as pessoas pensar “fora da caixa”.

Carl Jung definiu alguns tipos de personalidade como tendo a capacidade de sentir abstracto, intuir ou sentido, além de ter capacidade de pensar.

O pensamento concreto representa a viabilidade, o que faz com que as pessoas que o usam tenham mais dificuldade em encarar tarefas árduas, do que as que usam a abstracção.

 

Benefícios da Abstracção

A Flexibilidade é o principal benefício da abstracção.

Face a situações não previstas, nós somos capazes de projectar as nossas estruturas para melhor lidar com o desconhecido. Estas situações podem exigir pouca ou nenhuma mudança em nosso referencial de dados e portanto facilmente resolvemos os problemas.

A abstracção reduz o tempo de análise e de criação de projecto.

Tendo exercitado a nossa capacidade de, podemos aplicá-la a diversas áreas do modelo que temos em mãos, antes de concluir uma análise aprofundada das necessidades. Em vez de gastar quantidades significativas de tempo, a analisar cada elemento, eu posso abstrair para me certificar de qualquer eventual exigência foi tratada.

É importante não perder a noção global do projecto.

Os pensadores com abstracção são capazes de reflectir sobre os acontecimentos e ideias, e sobre os atributos e relacionamentos separados dos objectos que possuem os atributos ou compartilham essas relações.

Por exemplo, um pensador “concreto” pode pensar sobre um par de sapatos em particular, um pensador “abstracto” pensa sobre calçado em geral. Um pensador concreto pode ver que essa conta é grande, um pensador mais abstracto pode pensar sobre as dimensões da inflação.

Um pensador concreto pode reconhecer que o A e B gostam um do outro, um pensador abstracto pode escrever 20 páginas sobre emoções.

Abstraia-se e diga de concreto!

Mais vale facilitar do que complicar!

Facilitar não é tarefa fácil, principalmente quando pensamos na transferência de conhecimento.

O facilitador é alguém que ajuda um grupo de pessoas a compreender os seus objectivos comuns e os ajuda a planear para alcançar esses objectivos sem tomar uma posição particular na discussão.

O papel de um facilitador eficaz está intimamente ligado com o ambiente (contexto) onde se vai desenrolar. É importante esta observação porque a cultura da organização ou da região onde se desenrola a actividade de facilitação podem condicionar o trabalho do facilitador.

As competências de um facilitador assumem o verdadeiro significado da palavra: competência é resultado.

O facilitador deve distinguir os processos do conteúdo e é capaz de estimular a participação e a criatividade.

Embora não tenha uma intervenção activa na transmissão de conhecimento, o facilitador tem de demonstrar sabedoria e realçar a sabedoria do grupo. É verdade que o todo é maior que a soma das partes.

Na actividade de facilitação nada fica ao acaso, o tempo e o espaço físico são trabalhados intencionalmente, o que faz com que se adapte á evolução do grupo e dos acontecimentos.

Sendo capaz de manter a objectividade, um facilitador, está sempre atento à dinâmica do grupo e assume a responsabilidade pela direcção que o grupo toma. Não há lugar a subjectividades distractivas, nem a desvios dos seus propósitos.

Facilitar significa tornar mais fácil e não aproveitar complexidades para evidenciar habilidades.  

Um facilitador demonstra o profissionalismo, auto-confiança e autenticidade, o que se traduz em integridade pessoal.

Bem, mas se ele tem um conjunto de competências tão exigentes, como é que ele as aplica ou evidencia?

O facilitador não diz! O facilitador utiliza um conjunto de perguntas, de acordo com a temática onde está envolvido, para realçar o potencial de cada membro do grupo.

O facilitador diz, mas para cumprimentar ou retribuir cumprimentos que lhe são dirigidos. No fundo um facilitador é um pessoa “bem-educada”, que é capaz de se conectar e estabelecer relações. Por isso evita a orientação para a tarefa.

Usando as sua competência relacionais o facilitador não espera que alguém inicie as conversas e toma a iniciativa, usando o pedido de opinião e não sugerindo algo que pensa.  

Ele é capaz de ouvir activamente portanto promove a negociação, não manifestando intenções directivas na tomada de decisão. Essa negociação é feita com inteligência emocional, sendo capaz de vibrar mas afastando-se de reacções inoportunas.

Capaz de persuadir, não utiliza abordagens sistémicas, dando pouco lugar à análise e beneficiando a intuição. A intuição resulta das experiências vividas e os grupos são uma boa fonte para a obtenção de respostas intuitivas.

Ao manter constante o grande plano dos seus objectivos, o facilitador promove o trabalho sobre os aspectos nucleares. Ele aconselha e não usa a autoridade como se o grupo fosse um pelotão militar.

Dominando a observação, o facilitador é capaz de alavancar a curiosidade por parte dos membros do grupo e retirar, de aspectos simples do quotidiano, analogias que favorecem a resolução de problemas.

Facilitar é um trabalho que requer uma boa relação com os membros do grupo, liberta a criatividade e torna eficaz a transferência de conhecimento.

Quer facilitar? Comente!

Pensamento radical

Pergunto-me por vezes quantas formas de pensamento poderá haver e a noite responde-me:

-Há tantas, quantas queiram saber!

De todas as que já ouvi falar, a que menos me apraz usar é o pensamento radical. Não é porque seja uma linguagem tipicamente citadina ou, nalguns casos, religiosa. É apenas porque é radical, o que significa que não tem, nem balanço, nem balancete.

O pensamento radical não é aquele que eu gosto de usar num baloiço, não é aquele que inspira a criatividade e também não é aquele que me faz sonhar!

Imaginemos um jovem saído da faculdade de economia, onde durante três anos foi treinado, segundo um modelo pré-estabelecido, onde os manuais são tesouros e os ensinamentos são dogma. Parece-me claro que este ex-estudante vai enfrentar o mundo de hoje com um pensamento analítico, quase exclusivamente numérico e onde uns salpicos de behaviorismo fazem parecer que a sua atitude perante o mundo é humanista.

Claro está que isto, não passa de uma caricatura, mas talvez sirva para reflectir até que ponto a participação dos estudantes contempla a sua expressão criadora!

Mais tarde no desenvolvimento das organizações veremos alguns destes futuros líderes com as mesmas atitudes que os seus mestres. Fechados em silos de conhecimento, resistentes à mudança e onde as palavras partilha e colaboração, só tem sentido ao falar do pacote de prémios e bónus.

Deduz-se ou induz-se que a não ser uma atitude de rapto (abdutiva) o futuro da criatividade pode estar ameaçado.

É a altura de pensar um pouco, se este caminho, que é indicado pelas escolas, e a qualquer nível, não será uma forma radical de pensar, porque “ – Era assim e assim está provado que deu resultado!”

Mais uma vez, me faz lembrar o dilema do inovador:”Se é inovação prove que dá resultado!”

Radical é quando não se aceita que pode dar resultado se as condições previstas foram aplicadas.

Radical é não aceitar o equilíbrio entre a análise e a intuição.

Radical é olhar apenas para a beira-mar sem olhar para o resto do território.

Radical é tratar um enfermo com antibiótico e não retirar a larva da ferida.

O pensamento criativo é radical quando empurra o preconceito e a norma para o lado e, descobre o patamar de passagem do mistério, na resolução dos problemas, seguindo um percurso claro, baseado na intuição e nas circunstâncias, a fim de gerar conhecimento novo!

Descoberto esse patamar, então sim há que elaborar a sequência correcta e com fim, de instruções não ambíguas e bem definidas, para resolver os problemas.

Radical é bom em desporto e nas ideias, nos negócios e onde quisermos, desde que radical não signifique um pensamento linear sem aceitação da diferença e sem empatia pelas pessoas.

Quer comentar?

A tão desejada sabedoria!

 

Já falei de sabedoria e inteligência prática, ou da nossa capacidade de resolver problemas, ultrapassar obstáculos e adaptar a novos modelos e tendências.

A sabedoria, perde-se na falta de memória ou na teimosia de cometer os mesmos erros e assumir os riscos desnecessários. Assistimos a ciclos de euforia e desânimo com uma serenidade que não tem a ver com sabedoria, antes representa uma certa falta de consciência.

Os reinados de euforia correspondem literalmente a estratégias cedidas por analistas que focam dados apenas de sucesso. A sabedoria contempla evolução e contextos para tomar decisões em relação ao futuro. A sabedoria não é unicamente um julgamento sensato do passado, ela indica o “bom” caminho a percorrer no futuro.

A sabedoria, para um indivíduo ou uma organização, é algo que representa os valores irradiados na rede de conexões da pessoa, grupo ou organização. Sabedoria não é um conjunto de intenções.

A sabedoria não é estudar e identificar as melhores práticas, mas sim reconhecer as necessidades das pessoas e construir algo para a sua satisfação. As boas práticas, mesmo no contexto adequado, repetem falhas. As boas ideias alavancam inovação e foco no desenvolvimento sustentado.

A sabedoria não é um dom, nem se confina a um conjunto de iluminados. A sabedoria é saber distribuir o poder energético gerado pelas emoções, de modo a amplificar alegrias e satisfações.

A sabedoria não é um conjunto de tácticas bem pensadas, na utilização de uma estratégia oportuna para se atingir um fim. A sabedoria é ter tempo para ser sábio com despreocupação e construir algo de novo, útil e com simplicidade no uso.

A sabedoria é saber reflectir e fazer perdurar os pontos altos do que se faz. A sabedoria não é ser capaz de fazer um pouco melhor que os outros.

A sabedoria é elegância, simplicidade e compreensão. A sabedoria não é o uso da força, para provocar sentimentos ou emoções, para delinear caminhos indutores ou para desculpar atitudes impensadas.

A sabedoria não é a preocupação com a máxima rentabilidade e com a possibilidade de vitória sobre a concorrência. A sabedoria é implicar os custos à razão de ser do equilíbrio, sem utilizar estratégias de manipulação de embalagem.

A sabedoria é não procurar exemplos à nossa volta, mas dar o exemplo.

A sabedoria é ser capaz de manter uma atitude respeitada pelo respeito que se tem pelos outros, procurando não ser dono da verdade ao aprender a qualquer hora e em qualquer momento. A sabedoria não é o recolhimento na cátedra da investigação, sem partilha do conhecimento e sem abertura à mudança.

A sabedoria é saber ser, sem nunca esquecer que os outros também são!

(Fonte inspiração: Umair Haque)

Sabia? Ou não concorda?