Currently viewing the tag: "Beleza e emoções"

Criatividade e as minhas ou as nossas emoções

Para mim, as necessidades dos utilizadores ou consumidores são, sempre por onde começa o trabalho de um design thinker e compreendê-las é o início de um trajeto gratificante.

Nenhum design, não importa o quão belo ou engenhoso seja, serve para alguma coisa se não preencher uma necessidade do utilizador.

Para, Richard Seymour, design é fazer coisas melhor para as pessoas, atividade que é focada no comportamento humano e na qualidade de vida que nós frequentemente associamos a beleza e a emoções.

Ele conta uma experiência com um a reparação de um relógio que deu origem a uma interrogação muito interessante:

“Nós pensamos beleza? Ou sentimo-la?”

O design poderia ser visto como uma atividade que traduz uma ideia em algo útil e belo, quer se trate de um carro, um edifício, um gráfico, um serviço ou um processo.

“Os cientistas podem inventar tecnologias, os fabricantes podem fazer produtos, os engenheiros podem torná-los função e os comerciantes podem vendê-los, mas só designers podem combinar esses pareceres em todas essas coisas e transformar um conceito em algo que é desejável e viável, comercialmente bem-sucedido e que adiciona valor à vida das pessoas.” – Design Council

Se os designers ou as pessoas que pensam como designers são capazes de realizar essa combinação, eles fazem-no incorporando não só o conhecimento sobre as coisas mas sobretudo incorporando e transferindo para o resultado as emoções e os significados que os vários elementos das equipaspartilham.

Ao fazer isso estamos a criar oportunidades para sentirmos as coisas, para reagirmos à beleza ou à falta dela, para mostramos as nossas emoções.

Quando observamos as pessoas no seu dia-a-dia, reparamos que essas pessoas exibem uma variedade enorme de expressões emocionais. Por exemplo, quando presenciamos as expressões num ambiente natural, facilmente reconheceremos o significado dessas emoções ou da sua representação.

expression1

Essas expressões são comportamentos observáveis, verbais e não-verbais, que transmitem emoções internas e que são emoções internas ou estados afetivos que vivemos em determinados momentos. São extremamente úteis para percebermos se o que criamos provocou as emoções desejadas.

Por exemplo, a expressão “É impressionante” ou “É fabuloso” pode ser ouvida quando o resultado do trabalho é apresentado e surpreende os ouvintes.

Mas será que a emoção vivida nesses momentos foi a emoção desenhada? Será que representa a existência de significado na nossa proposta de valor?

A capacidade de criar alguma coisa que tem significado e utilidade, porque a utilidade é um destino privilegiado da criação é um propósito que deve acompanhar sempre o design thinker.

Pensar em alguma coisa de forma intensa com a intenção de criar um novo significado é iniciar um caminho de satisfação de necessidades que só a empatia pode permitir.

Ler as emoções, capacidade possibilitada pela empatia, é saber para onde querem ir aqueles que são os destinatários do nosso trabalho. Empatia é saber estar no lugar do outro e isso promove a melhoria de qualquer ambiente, tornando o que fazemos em algo melhor ou em algo inovador.

Inovar significa repensar completamente a maneira como alcançar um objetivo e, em alguns casos, isso pode significar a redefinição do objetivo que perseguimos, passando muitas vezes das nossas emoções para as emoções de outros.

Inovar significa adaptar o ambiente às novas exigências e necessidades dos mais novos até aos mais velhos.

Como também significa chegar com uma nova ideia capaz de criar um mundo melhor e permitir criar filhos melhores num mundo em transformação.

Inovar significa criar ambientes de educação positivos, aplicando o futuro a um novo contexto.

Há medida que vamos avançando no nosso percurso de vida, vamos pensando em deixar algo, como testemunho da nossa presença, que possa servir para contar depois.

Tudo isso porque a inovação tecnológica permite agora deixar um legado como nunca antes foi possível, ou seja, o relato das nossas experiências e emoções.

Nessa altura estamos a contar uma história de emoções e significado!

Quer comentar?

Tagged with: