Currently viewing the tag: "Ambientes de inovação"

As pessoas acima de tudo!

Estimular ideias e explorar o potencial criativo de cada um de nós é, cada vez mais, o caminho a seguir para promover a inovação.

Por isso, redesenhar os ambientes de trabalho passou a ser um desejo, um querer ou uma necessidade imperativa qualquer que seja a estrutura e dimensão das organizações envolvidas no panorama dos negócios.

Há uns anos atrás as primeiras incursões aos novos ambientes estimuladores de criatividade passavam, por um espaço com jogos, umas poltronas coloridas e convidativas a uma passeio de mão dada com a imaginação ou até umas simulações de artista com guitarra e playback.

É bom não esquecer que o local de trabalho não se limita ao espaço físico, também inclui o espaço virtual.

Hoje se nós quisermos desenvolver um ambiente de trabalho que estimule a criatividade e que tenha como propósito desenvolver uma cultura de inovação é preciso ir para além do colorido e da novidade nos materiais.

Para criar ou desenvolver uma ambiente de criatividade devemos considerar que:

– A permissão para a criatividade no ambiente de trabalho vem de cima e não tem que ser pedida. A diversidade, a inclusão e a abertura ao mundo exterior e à diferença têm que estar implícitas nas orientações e valores das organizações.

– A confiança, através das suas diferentes perspetivas, no trabalho é uma condição necessária e fundamental para a criatividade.

Para inovar é fundamental que exista um ambiente de confiança e de responsabilidade onde as várias atividades se desenrolam sem atritos, conflitos ou medo.

van_gogh

Quer a confiança quer o risco estão intimamente ligados com o medo.

Muitas vezes esta imagem de “diferença”, que encerra divertimento e “liberdade para” esbarra na permissão para inovar. Isto significa que a conciliação dos vários pontos-chave para o desenvolvimento da criatividade e inovação não é fácil principalmente quando falamos em diversidade de género, de personalidade ou de culturas.

Quantas vezes, a falta de permissão é sustentada na falta de integração da diferença?

A resposta poderá estar num artigo de Eric Markowitz onde ele diz:

“Swann verificou que a diversidade de facto promove a inovação, mas apenas se essa diversidade foi abraçada pelo grupo.”

E, eu penso que essa diversidade quando é abraçada pelo grupo é já resultado de uma série de acontecimentos na organização e que se evidenciaram pelo desenvolvimento de uma cultura e onde a diversidade é vista como um conceito amplo e não apenas a uma questão de disciplinas de conhecimento ou questões de igualdade de género ou de origem cultural.

Mas será que tradicional forma de integrar a diferença nas organizações é sustentável?

Procurar desenvolver uma cultura que abraça culturas é o caminho desejável, pois isso faz com que as pessoas se sintam desejadas e compreendidas ajudando assim a promover a criatividade.

Quando nós, combinamos ou facilitamos a combinação de diferentes domínios de conhecimento ou de culturas, os conceitos existentes nesses domínios dão origem a um número extraordinário de novas ideias.

Diferentes pessoas com diferentes origens e perfis alavancam a capacidade de enfrentar desafios e de abraçar oportunidades, porque diversas motivações e formas de olhar e ver estão presentes.

Um novo ambiente que como referimos atrás não se confina ao espaço físico e que é caracterizado pela maior importância dada ao seu fator de eleição, isto é as pessoas.

É por isso que é importante recordar Dov Seidman:

“A abordagem dominante para a inovação, que os países e as empresas precisam agora mais do que nunca, negligencia uma veia rica de potencialidades por explorar. Estamos a concentrar-nos quase que exclusivamente sobre as inovações – o resultado do processo criativo – enquanto negligenciamos o elemento humano na equação.

O que aconteceria se em vez de focar apenas uma variável (o resultado) na equação de inovação, abordássemos a variável humana que temos mantido sempre constante?”

Quer comentar?

Tagged with: