Gerações

A paixão pela criatividade não tem idade!

Fazer as coisas de que gostamos, não é uma atitude que corresponda a um escalão etário e a criatividade surge e ressurge em todos nós.

Criar e desenvolver as ideias requer paixão. Não é nenhum segredo que se nós fizermos algo que amamos, o resultado é melhor e logo a nossa satisfação aumenta.

Alguém disse que “o futuro é já hoje” e o futuro das gerações mais velhas requer pequenas mudanças no ambiente de trabalho ou de lazer que podem mudar o comportamento, incentivar as interacções, fazer com que as pessoas compartilhem mais coisas, e evitem que as pessoas sejam isoladas.

A riqueza de um conhecimento acumulado ao longo de uma vida de trabalho não pode ser esquecida e deve ser adaptada às novas necessidades das várias gerações.

A capacidade de usar os velhos conhecimentos e traduzi-los em algo de novo com valor é inerente às necessidades sentidas pelas pessoas e merece uma forma de pensar diferente.

As pessoas idosas e as que para lá caminham são um alvo especial para o qual a nossa abertura de espírito se deve dirigir e para isso:

A empatia deve ser considerada uma atitude soberana!

Precisamos de observar experiências para compreender e desenvolver adaptabilidade.

É necessário transferir conhecimento utilizando as novas tecnologias como facilitadoras.

É necessário entender a cultura como uma moldura essencial no significado das coisas. A cultura é parte integrante de um contexto social.

Devemos entender inovação também como mudança de comportamentos:

– Que conduzam à participação das pessoas alvo na “previsão” do futuro (futuro desejável)!

– Que façam do sorriso uma linguagem do dia-a-dia!

– Que levem à participação na prototipagem dos produtos e serviços que lhes são destinados.

Temos assistido a grandes revoluções tecnológicas dirigidas à população activa, mas as franjas das populações idosas são cada vez maiores e não têm visto as suas necessidades satisfeitas.

Os idosos representam hoje o resultado de muita investigação e inovação na área da saúde e bem-estar e por isso, recai sobre a inovação a continuidade de um projecto. Revolucionar a revolução e criar condições de bem-estar e segurança para os idosos. Promover a revitalização das gerações com mais idade.

Este manifesto leva à reflexão sobre a direcção ou inclusão nas direcções da inovação, de uma camada da população que apresenta novas necessidades. Centremo-nos neles.

O nosso foco deverá agora incidir na filosofia da simplicidade, usabilidade, utilidade e entretenimento.

Há que manter a estabilidade emocional dos “novos consumidores”, que têm uma idade avançada e, portanto, não apresentam características motoras e mentais semelhantes à população activa.

Para isso a base de trabalho deve ser inovar adaptando, simplificando e clarificando o uso.

Esta atitude permite não só uma significativa redução de custos nos produtos ou serviços como, não altera comportamentos desejáveis que permitem harmonia nos aglomerados populacionais.

Esta é também uma atitude socialmente responsável.

Inovação tecnológica associada a inovação de processos e procedimentos pode permitir às populações idosas e não activas a conciliação desejável com as gerações mais novas.

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *